WETLANDS BLOG

Conteúdos e eventos relevantes sobre a tecnologia wetlands construídos

  • Equipe Wetlands

Lodos de esgoto: tecnologias de tratamento e formas de destinação

Atualizado: 18 de Nov de 2019


O gerenciamento do lodo de esgoto proveniente de estações de tratamento é uma atividade de grande complexidade e alto custo, podendo representar de 40 a 60% dos custos operacionais de uma ETE ao longo de toda sua vida útil (energia elétrica, reagentes químicos, maquinário, depreciação, mão de obra, logística de destinação, etc.).

A estimativa de geração de lodos no Brasil, considerando que 42,7 % dos esgotos produzidos são tratados (88,3 milhões de habitantes), é de:


88.000 a 353.000 m³/dia de lodo líquido*

8.800 a 13.000 m³/dia de lodo desaguado*


*Volume per capta de lodo líquido a ser tratado: 1 a 4 L/Hab.dia. Volume per capta de lodo desaguado a ser disposto: 0,1 a 0,15 L/Hab.dia (Andreoli et al., 2010)


Tendo em vista que 95% dos municípios brasileiros tem população menor que 100 mil habitantes, a escolha da tecnologia de tratamento de lodos é importante para garantir a sustentabilidade técnica e econômica para ETE de médio e pequeno porte.


Para o setor industrial, a viabilidade financeira da forma de gerenciamento dos lodos gerados é de extrema importância. Além da conformidade com normas ambientais, a competitividade comercial dos produtos oferecidos está relacionada aos custos operacionais (OPEX), dos quais o gerenciamento dos lodos pode ser parte significativa.


Neste cenário, as Unidades de Gerenciamento de Lodos por sistemas Wetlands Construídos (UGL Wetlands Construídos) associadas ao aproveitamento agrícola dos lodos tratados, são uma excelente opção, pois solucionam com elevada eficiência e baixos CAPEX e OPEX a problemática do tratamento e destinação dos lodos de esgoto.


SISTEMAS MECANIZADOS VS. PASSIVOS: Qual a melhor opção para tratamento de lodos?


A seleção de tecnologias de tratamento de lodos em uma ETE é dirigida por fatores técnicos, tais como simplicidade operacional, disponibilidade de área e teor de umidade desejado; e econômicos, como custos de implantação, operação e manutenção.


Sistemas mecanizados (filtros prensa, centrífugas) são positivos em estações em que os volumes de lodos a serem tratados são bastante elevados e as áreas requeridas por tecnologias passivas seriam excessivamente grandes. Em contrapartida, estes sistemas compactos apresentam elevados custos de implantação, operação e manutenção, por requerem uso intensivo de equipamentos mecânicos, de energia elétrica e de cuidados técnicos especializados.


Por outro lado, os sistemas passivos (leitos de secagem, bags de desaguamento, wetlands construídos) são positivos em locais onde maiores áreas de implantação não são o fator decisivo. Neste caso, os custos operacionais e de manutenção são mais reduzidos e o sistema apresenta maior simplicidade operacional. A título de exemplificação, uma UGL por sistemas wetlands construídos, pode operar sem consumo de energia elétrica, produtos químicos e descarte de sólidos, em ciclos operacionais de até 15 anos, com o empenho de apenas 6 horas semanais de um operador sem formação técnica especializada. (Saiba mais sobre a UGL Wetlands clicando aqui.)


Um importante fator a ser observado nesta análise é o teor de sólidos alcançado. Em centrífugas o teor de sólidos gira em torno de 15 a 20 %, o que significa que 80 a 85% da massa de lodo a ser disposta é composta por água. Já nos leitos de secagem, os teores de sólidos podem alcançar até 40%.


DESTINAÇÃO FINAL DE LODOS

Em ambas as abordagens de tratamento (mecanizada e passiva), ainda há a necessidade da disposição final dos resíduos gerados. A forma de disposição final mais tradicional no Brasil é a destinação em aterro sanitário.


O custo da destinação final em aterro sanitário é composto pelo frete até o aterro (logística de transporte) e pelo preço da tonelada. Considerando que o lodo a ser destinado possui de 15 a 40% de água em seu conteúdo (em função da eficiência do desaguamento), pode-se concluir de maneira simples que grande parte dos custos de destinação e transporte são com a água presente no lodo. Além disso, a disposição em aterro aumenta a produção de chorume e gases estufa e representa riscos geotécnicos ao maciço. Em função desses aspectos, há uma tendência de os aterros interromperem o recebimento de lodos de esgoto. Essa atividade também não é coerente com as visões mais atuais de aproveitamento de subprodudos de ETE e de reciclagem de nutrientes.


Uma das formas de destinação de lodos mais recomendadas para o Brasil, haja vista a distribuição demográfica, as condições climáticas favoráveis, a disponibilidade de terra e a vocação agropecuária do país, é o aproveitamento na agricultura e/ou na recuperação de áreas degradadas. Diversas pesquisas nacionais já demonstram a forte aptidão do país para recebimento de lodos de esgoto como fertilizantes para produção agrícola.


O QUE SÃO AS UGL WETLANDS CONSTRUÍDOS?


As Unidades de Gerenciamento de Lodos (UGL) por Wetlands Construídos estão transformando o gerenciamento da fase sólida das ETE em uma atividade simples e rentável em locais onde há área disponível para implantação. Esta tecnologia vem sendo empregada mundialmente como uma solução altamente eficiente e de baixo custo operacional para a conversão dos lodos de ETE em recursos para a agricultura e recuperação de áreas degradas.


Ideais para vazões equivalentes de até 150 mil habitantes, as UGL Wetlands Construídos recebem lodos dos mais diversos sistemas de tratamento de esgotos (sanitários, industriais e de fossas sépticas) substituindo as dispendiosas estruturas de adensamento, desaguamento e logística de destinação por processos passivos que convertem os biossólidos em composto orgânico.


As UGL Wetlands Construídos podem eliminar até 60% dos custos operacionais de uma ETE (municipal ou industrial), uma vez que o processo de tratamento é passivo e os custos com destinação final dos lodos é eliminado. Esses fatores podem ser decisivos para a viabilidade técnica e/ou financeira de uma ETE municipal ou empreendimento industrial, já que impactam diretamente nos valores a serem investidos e nas despesas recorrentes.


Quer saber mais sobre a UGL Wetlands Construídos. Acesse nosso post: Wetlands Construídos: uma solução para o tratamento de lodos de esgoto.

0 visualização
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube

+55 31 3401-1155 / 9 7169-4060

wetlands@wetlands.com.br

Rua Professor José Vieira de Mendonça, 770, Sala 210 | Edifício BHTEC | Engenho Nogueira

Belo Horizonte - MG - CEP 31310-260

 

 

Acompanhe nossas redes