• Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube

+55 31 3401-1155 / 9 7169-4060

wetlands@wetlands.com.br

Rua Professor José Vieira de Mendonça, 770, Sala 210 | Edifício BHTEC | Engenho Nogueira

Belo Horizonte - MG - CEP 31310-260

 

 

Acompanhe nossas redes

ETE WETLANDS

TRABALHE EM PAZ, COM CERTEZA DE QUE SUA ETE ESTÁ FUNCIONANDO

ETE WETLANDS

tratamento de efluentes sanitários e industriais   de forma descomplicada, eficiente e econômica

Seja em uma indústria ou em um município de pequeno porte (até 6000 habitantes), a grande dificuldade das operações de tratamento de efluentes é manter a ETE funcionando bem.  

A maior parte dos problemas operacionais nas ETE estão relacionados com o não atendimento à legislação, elevados custos de operação e conflitos com os usuários e entorno. 

A seleção de uma ETE  deve priorizar: 

a simplicidade operacional; a redução de custos e a sustentabilidade ambiental.

Essa é a proposta da ETE Wetlands.

>90%

eficiências superiores a 90% de remoção de DBO

+40 anos

tecnologia consolidada há mais de 40 anos ao redor do mundo

30.000

é o equivalente populacional do maior wetlands do mundo para tratamento de esgoto sanitário bruto 

 
 

Aplicações da ETE Wetlands

Efluente sanitário Municipal 

Efluente sanitário Industrial 

Efluente orgânico Industrial 

Veja quem já reconhece o valor da ETE Wetlands

Benefícios gerados pela ETE Wetlands

SIMPLIFICAÇÃO

e segurança operacional

  • Construção, operação e manutenção simples;

  • Ausência de descarte e de rotinas complexas de gestão de lodo;

  • Ausência de elementos eletromecânicos e de produtos químicos;

  • Eficiência de tratamento acima de 90% (remoção de DBO);

  • Resistência a choques de carga e de vazão;

  • Atendem com segurança a legislação;

REDUÇÃO

de custos operacionais da ETE 

 

  • Baixo ou nulo consumo de energia elétrica;

  • Rotinas operacionais demandam apenas 2 horas por dia;

  • Não necessita de mão de obra especializada;

  • Redução de custos com gestão de lodo;

  • Independência de centrífugas e de aterro sanitário para desaguamento e destinação de lodo;

RECUPERAÇÃO

de recursos e qualidade ambiental 

 

  • Tendência mundial do saneamento;

  • Ausência de odores, vetores e ruídos;

  • Possibilidade de reúso de águas;

  • Mineralização e higienização passiva do lodo com possibilidade de destinação agrícola;

  • Integração paisagística e harmonização com o entorno;

  • Tecnologia recomendada pela ONU;

  • Possibilidade de reúso da biomassa vegetal;

Integração paisagística e qualidade ambiental

Consolidados internacionalmente para o tratamento de efluentes sanitários e industriais, a tecnologia wetlands construídos reúne vantagens em sintonia fina com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e conceitos de Economia Circular. Estes sistemas podem receber esgotos brutos ou efluentes de outras tecnologias convencionais entregando águas com padrão para reúso de forma simples, segura e econômica, além de integrados paisagisticamente com o entorno.

Arranjo típico de uma ETE Wetlands

para efluentes sanitários para geração de efluente com padrão de reúso

Tratamento preliminar a montante

1º estágio wetlands vertical

2º estágio wetlands vertical ou horizontal

Lançamento em corpo receptor ou destinação para reúso

Elevadas eficiências e segurança operacional

Um dos maiores desafios das ETE é garantir a estabilidade do tratamento e  as eficiências de tratamento. A ETE Wetlands, além da resistência aos choques de carga e de vazão, pode ser dimensionada para atender a diversos objetivos de tratamento, desde o atendimento aos padrões de lançamento em corpo receptor até aos padrões mais restritivos para reúso. Em sistemas híbridos (wetlands vertical + horizontal) as eficiências médias de remoção de matéria orgânica, para esgoto sanitário bruto, são superiores a 93%.

Gráfico de eficiências em sistema wetlands híbrido (vertical seguido de horizontal) para tratamento de efluentes sanitários municipais.

Recupere recursos e nunca mais envie lodo para o aterro sanitário

Outra grande vantagem das ETE Wetlands é a conversão de lodos de esgoto em composto orgânico por processos passivos! Nossos sistemas permitem a eliminação de todas as estruturas de desaguamento mecanizado e garantem independência de aterros sanitários. Isso porque o lodo fica retido na superfície do leito, com taxa de acumulação de 1 a 2 cm ao ano, e é mineralizado e digerido ao longo da operação do sistema. O intervalo de remoção do lodo mineralizado pode ocorrer a cada 5 ou 10 anos, eliminando as rotinas intensivas e dispendiosas de manejo de lodo (a maioria das ETE demanda descartes de lodo contínuo, semanal ou quinzenal). Após removido, o material, já estabilizado e higienizado, pode ser destinado para fins agrícolas e/ou recuperação de áreas degradas sem necessidade de nenhum tipo de beneficiamento.

Veja como viabilizar

a implantação da ETE Wetlands

O passo mais importante para avaliar a viabilidade de implantação das ETE Wetlands está relacionado com a análise das vazões de esgoto e das áreas disponíveis. A título de estimativa, a ETE demanda de 0,8 a 2 m² de área de leito para cada 1 equivalente populacional*. Essas áreas estão condicionadas às vazões, aos requisitos de eficiência e à caracterização do efluente a ser tratado. Além da área de leito, é preciso prever ainda um acréscimo de 40% de área para taludes, acessos de veículos e áreas de manobra de veículos. 

0,8 a 2m² 

por equivalente populacional

é a área para uma ETE Wetlands

*considerando 160 L de efluente por habitante por dia

Operação simples, robusta e segura

sem máquinas, sem químicos e sem aterro sanitário

Tratamento preliminar

 

Como em qualquer sistema de tratamento, a remoção dos resíduos sólidos grosseiros deve ser realizada. Como as ETE Wetlands permitem a conversão de lodos em fertilizante orgânico, o interesse nesse caso é obter um biossólido final de alta qualidade, com baixos níveis de metais, plásticos e vidros. Nesse sentido, um tratamento preliminar com grades finas ou até mesmo peneiramento é recomendado.

Dispositivo de alimentação

 

As ETE Wetlands podem ser alimentadas com esgotos brutos ou primários. Em ambos os casos, quando trabalhamos com wetlands de escoamento vertical, é necessário o uso de bombas elevatórias ou sifões automáticos. Em função de premissas de projeto, podem ocorrer de 12 a 48 bateladas por dia.

Rodízios de alimentação

 

Em geral, são implantados 3 leitos em paralelo, sendo cada um deles alimentado durante 2 ou 3 dias. Ao final de um ciclo de alimentação, realiza-se um rodízio entre os leitos por uma simples manobra de registros.

  Desidratação e mineralização

do lodo de esgoto

 

Ao longo do ciclo de mineralização, variando de 3 a 10 anos, os lodos são estabilizados. Durante o período de repouso, os sólidos suspensos retidos na superfície do leito formam uma camada chamada “depósito de lodo”. Esta camada cresce numa taxa média de 1cm ao ano. Ao final de 10 anos de alimentação, COM NENHUMA DESPESA DE DESTINAÇÃO DE LODO, esse material terá sido convertido em composto orgânico em conformidade com a legislação CONAMA 375 e portarias do Ministério da Agricultura e Pecuária (fertilizante orgânico classe D).

Destinação do efluente final

 

À exceção das bombas elevatórias eventualmente necessárias, as ETE Wetlands NÃO EMPREGAM NENHUM EQUIPAMENTO MECANIZADO. O atendimento à legislação é garantido por mecanismos puramente biológicos, que ocorrem no meio filtrante. O processo de tratamento é similar ao dos Filtros Biológicos Percoladores de Baixa Carga, ocorrendo remoção de matéria orgânica, nitrificação e até mesmo desnitrificação dentro do sistema.

Manejo da vegetação 

 

 A vegetação é o elemento mais notável nesses sistemas, conferindo harmonia paisagística e contribuindo para a biodiversidade microbiana no meio suporte. Quando o sistema tem premissas ornamentais, é necessário cuidar das plantas como em um jardim, realizando cortes mensais ou trimestrais. Quando o sistema é mais rústico, uma capineira pode ser cultivada com cortes semestrais ou anuais, o que REDUZ FORTEMENTE OS CUSTOS de MANUTENÇÃO. Em ambos os casos, uma equipe de jardinagem é capaz de realizar os serviços. O material vegetal removido dos leitos pode ser compostado, pois é ISENTO DE MATERIAIS TÓXICOS, quando se trata de efluentes sanitários.

Remoção do lodo compostado

 

A cada 10 anos é realizada uma parada de manutenção em cada um dos leitos para a remoção do composto orgânico formado na camada de depósito de lodo. Nessa altura, o lodo terá alcançado um teor de sólidos superior a 10% e estará estabilizado (relação SV/ST). Esse procedimento NÃO EXIGE A REMOÇÃO DO MEIO SUPORTE, mas apenas da camada de 10 cm de composto orgânico. Dentro da lógica de uma ETE Sustentável, o ideal é que este material seja destinado como fertilizante agrícola. Após a remoção da camada de lodo, a vegetação é restabelecida e o leito retorna à operação por mais 10 anos.